Esse tal de Colesterol! Por Marcos Cavalheiro

O Colesterol não é uma substância “maligna”. Ele é de extrema importância por ser fundamental para o adequado funcionamento do nosso organismo, desde que em níveis adequados.

Quando em níveis acima dos considerados normais passam a oferecer maior risco de doenças cardiovasculares.

A Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia trouxe uma publicação bastante útil em sua página virtual(www.endocrino.org.br) sobre as “10 coisas que você precisa saber sobre o colesterol”, que serviu de para a confecção deste artigo, porém com a liberdade de algumas modificações e comentários adicionais. Neste texto não vamos abordar um outro tipo de lipídio chamado triglicerídeos (este será abordado futuramente em uma publicação específica).

O colesterol é um tipo de gordura (lipídio) encontrado naturalmente em nosso organismo. Ele é o componente estrutural das membranas celulares em todo nosso corpo. Ele está presente no cérebro, nervos, músculos, pele, fígado, intestinos e coração.

O nosso corpo utiliza o colesterol para produzir vários hormônios, vitamina D e ácidos biliares que ajudam na digestão das gorduras. Cerca de 70% do colesterol é fabricado pelo nosso próprio organismo, no fígado, enquanto que os outros 30% vêm da dieta.

Existem dois tipos principais de colesterol. O HDL é chamado de “colesterol bom” pois forma uma classe de lipoproteínas que ajuda a carregar o colesterol do ateroma dentro das artérias, e transportá-lo de volta ao fígado para ser excretado. Já o LDL, chamado de “colesterol ruim”, é assim considerado pela relação que existente do alto índice de LDL com doenças cardíacas.

Quando em excesso (hipercolesterolemia), o colesterol pode se depositar nas paredes das artérias, determinando um processo conhecido com aterosclerose. Se esse depósito ocorre nas artérias coronárias, pode ocorrer angina (dor no peito) e infarto do miocárdio. Se ocorre nas artérias que levam o sangue para o cérebro, pode provocar acidente vascular cerebral (derrame/isquemia).

Manter uma vida saudável, praticando exercícios físicos e evitando comer alimentos gordurosos ajuda a evitar o alto colesterol.

Gema de ovo, bacon ou toucinho, carne de frango com pele, torresmo, manteiga, creme de leite e nata, frituras, salsicha, salame e linguiça e carnes de animais são os principais alimentos que contém uma significativa quantidade de colesterol.

O aumento no nível de colesterol no sangue não costuma ter sintomas. Em casos excepcionais, aparecem os chamados xantomas, que são sinais decorrentes do acúmulo do colesterol na pele. Os Xantomas são semelhantes a pequenas “verrugas” de cor amarelo-parda, costumeiramente encontrados na região das pálpebras.

Há três causas para a alteração do colesterol. A primeira é o fator genético, quando o indivíduo possui genes que determinam essa alteração. A segunda é a alimentação. Quem ingere alimentos gordurosos, com alto índice de colesterol, têm mais chances de sofrer com taxas altas. A última possível causa são doenças, como hipotireoidismo, diabetes e algumas doenças renais.

Para fazer uma dieta visando o controle do colesterol, prefira leite e iogurte desnatados, queijo branco fresco, ricota, “cottage”, queijos “light”, peixes, aves sem pele, carnes magras, inhame, macarrão, pães, bolachas de água e de água e sal, evitando sempre gordura em excesso. O tratamento das alterações do colesterol deve ser mantido por toda a vida. Tanto os cuidados com a alimentação e exercícios, como o uso de medicamentos, deverão ser empregados por tempo indeterminado quando indicados.

Os níveis ideais de colesterol variam de acordo com o Risco Cardíaco de cada indivíduo (risco de apresentar um infarto). Desde 2013 o controle dos níveis de colesterol têm sido mais rigorosos especialmente em pacientes com alto risco cardíaco. Mas de forma geral os valores referenciais do colesterol para adultos maiores de 20 anos é o que segue:

Colesterol total: < 200: Desejável; entre 200 e 239: limítrofe; maior de 240: Alto

LDL Colesterol: <100: ótimo; entre 100 – 129: desejável; entre 130-159:limítrofe; entre 160-189: alto; maior de 190: muito alto.

HDL colesterol: maior de 60: desejável; menor de 40 (baixo).

Add a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *